Curso da Esmarn capacita servidores quanto à prestação de serviços públicos

“O principio básico da justiça é o atendimento ao cidadão”, assim afirma o professor Sêmio Pessoa, docente do curso “Como Entender e Atender Bem na Justiça”. A formação, promovida pela Escola da Magistratura do Rio Grande do Norte (Esmarn), nesta segunda-feira (04), é avaliada pelo professor como necessária para uma melhor produtividade dos profissionais dentro de seu ambiente de trabalho.

Para ele, o papel do servidor público, principalmente os vinculados ao Tribunal de Justiça do RN (TJRN), é dar à comunidade que necessita dos serviços prestados pela justiça potiguar, um sentimento de que foi bem recebida e acolhida.

“No final ele pode até perder uma ação, mas o importante é saber que há seres humanos buscando dar o melhor de si para que a justiça aconteça”, destaca.

Professor Sêmio Pessoa

Sêmio é especialista em empreendedorismo pela NSU (Flórida/EUA) e mestre em administração de empresas pela UFRN, ele afirma que a principal busca dentro do espaço de uma instituição é fazer o profissional entender bem seu papel, para logo após poder prestar o melhor serviço possível.

“O curso é montado em cima do ‘eu’, enquanto servidor, do ‘outro’, como o meu colega de trabalho, e aí sim depois com o jurisdicionado. Não posso tratar ninguém bem se eu não me trato bem, se eu não me conheço. Eu não posso tratar ninguém bem se não consigo tratar aquele que está ao meu lado, nas relações interpessoais”, ressalta.

Experiências

Há 17 anos Adriana Batista atua como técnica judiciária, e, hoje, ocupa o cargo de Chefe de Secretaria na 2° Vara de Família de Parnamirim. A servidora conta que sempre quando participa de capacitações preocupadas com o profissional, ela repensa sua forma de agir com o público.

“É um momento que nós paramos e refletimos não só para a nossa vida profissional, mas na vida pessoal, principalmente. Além do que, aprendemos muito com o compartilhar das experiências dos outros participantes”, afirma.

O professor da formação destaca essa importância pelos servidores trocarem suas diversas experiências e dificuldades enfrentadas no dia a dia.

“Ser servidor da justiça é um trabalho pesado, eles lidam com mazelas da sociedade diariamente, independente do que ele trate. Então, dentro de toda essa situação de milhares de processo em que os servidores e os magistrados se confrontam todo dia, o importante é que eu busque dar o melhor de mim para entender e atender bem o jurisdicionado”, completa.